e ser apenas um borrão
liberdade e solidão andam de mãos dadas.














não ha porto seguro

a vontade era de afogar em minhas cobertas, permanecer no meu casulo até que a transformação se complete. hibernar até que o tempo ruim passe. mas humana que sou essas alternativas não se encaixam. resta levantar com os olhos apertados. e encarar, mesmo que sem vontade os dias que gritam sua loucura. o nó, a angustia e a amargura que sinto no peito me livrar num vomito. algo incomoda mais do que ontem, menos do que amanhã. me afoguei em mar aberto.


i love you badly
so much has gone and little is new
we planted seeds of rebirth

and i want to believe
and you want to believe
and we want to believe
a falta se fazendo mais presente
suas putas, suas raparigas, suas vadias
seu amor sem dono, sem destino.
suas transas, suas punhetas, o sexo
seu amor a todas, sem dono.

bichinho

Não acabarão nunca com o amor,
nem as rusgas,
nem a distância.
Está provado,
pensado,
verificado.
Aqui levanto solene
minha estrofe de mil dedos
e faço o juramento:
Amo
firme,
fiel
e verdadeiramente.

(maiakoviski)
a vontade de gritar persiste
gritar, gritar, gritar

o amor e a falta que sinto.
um vazio inteiro dentro
falta de amanhecer no olho do outro

(dentre outras tantas faltas)
"Não sei se eu ainda
Te esqueço de fato
No nosso retrato
Pareço tão linda
Te ligo ofegante
E digo confusões no gravador
E desconcertante
Rever o grande amor
Meus olhos molhados
Insanos, dezembros
Mas quando me lembro
São anos dourados
Ainda te quero
Bolero, nossos versos são banais
Mas como eu espero..."

Fernando Pessoa para falar agora

26. "dar a cada emoção uma personalidade, a cada estado de alma uma alma"
233. "... a tristeza solene que habita em todas as coisas grandes -"
126. "conforme a sorte manda e o acaso faz"
46. "no desalinho triste das minhas emoções confusas"
372. "absurdemos a vida, de leste a oeste"
28. "um halito de música ou de sonho, qualquer coisa que faça quase sentir, qualquer coisa que faça não pensar"

farois altos e baixam
que me fotografam
a me procurar

em todos os peugeots
uma placa que não encontro

angustia angustia angustia angustia angustia angustia angustia angustia angustia angustia angustia angustia angustia angustia angustia angustia angustia angustia angustia angustia angustia angustia angustia angustia angustia angustia angustia angustia angustia angustia angustia angustia angustia angustia angustia angustia angustia angustia angustia angustia angustia angustia angustia angustia angustia angustia angustia angustia angustia angustia angustia angustia angustia angustia angustia angustia angustia angustia angustia angustia angustia angustia angustia angustia angustia angustia angustia angustia angustia angustia angustia angustia angustia angustia angustia angustia angustia angustia angustia angustia angustia angustia angustia angustia angustia angustia angustia angustia angustia angustia angustia angustia angustia angustia angustia angustia angustia angustia angustia angustia angustia angustia angustia angustia angustia angustia angustia angustia angustia angustia angustia angustia








lá vai o cão arrependido
com suas orelhas baixas
o osso roído
e o rabo entre as patas

e o verso é repetido 42 vezes
nada do que disse vai ser o certo.
pois sou uma pessoa errada.
um tango argentino.

não sou mais o seu bichinho
não é mais o meu amor


"meu pássaro se enjaulado
morreria indomável
pois nasceu assim, meu pássaro amado,
sabendo que voam todos os pássaros"

(Jéssica Vieira)